Estudar

Produzido sistema de business intelligence para ajudar na redução da taxa de cesarianas
27-12-2017

Ana Almeida, recém-mestre em Engenharia Informática – ramo de Sistemas de Informação e Conhecimento (MEI) pelo ISEP, desenvolveu um sistema de business intelligence para centralizar os dados de várias instituições de saúde, ao auxiliar os profissionais dos serviços de obstetrícia pela disponibilização e análise de dados recolhidos durante a gravidez. O objetivo é, de certa forma, colmatar lacunas existentes e reduzir as taxas de cesarianas. A aplicação está em fase de testes, tendo em vista a sua aplicação no mundo real.

Um serviço de obstetrícia armazena dados referentes ao percurso das mães e dos recém-nascidos durante todo o período de gestação. Todas estas informações são importantes para que os profissionais efetuem a sua prática clínica de um modo mais adequado. Neste contexto, existe um conjunto de indicadores importantes para a verificação da qualidade desses serviços, destacando-se as taxas de cesarianas. Em Portugal, atualmente, esta taxa é muito elevada – o último valor conhecido é referente a 2015 com uma percentagem de 39,5 por cento –, sendo, por isso, necessário proceder-se a uma redução com o intuito de corresponder aos valores recomendáveis pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

“O objetivo principal foi o desenvolvimento de um sistema de informação de business intelligence, que forneça a informação necessária aos profissionais de saúde no seu processo de tomada de decisão, com o propósito de melhorar a qualidade dos serviços de obstetrícia. O sistema apresenta a informação de forma dinâmica, possibilitando ao utilizador a sua manipulação e respetivas análises. A ferramenta desenvolvida centraliza dados de diferentes hospitais, facto que permite a comparação entre estes. Foram também concebidos indicadores que permitam perceber e explicar a taxa de cesarianas”, explica Ana Almeida.

O projeto foi desenvolvido no âmbito do MEI do ISEP, mas contou com a parceria da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e com a VirtualCare. Para além disso, o  GECAD (Grupo de Investigação em Engenharia e Computação Inteligente para a Inovação e o Desenvolvimento) deu também um importante contributo na parte de investigação. Sob a coordenação do docente do Departamento de Engenharia Informática (DEI) do ISEP, Constantino Martins, o trabalho final de Ana Almeida foi avaliado com 18 valores. Numa fase futura, este tema poderá originar um Doutoramento, bem como a eventual submissão de um projeto de I&D.

O MEI tem como objetivo o aprofundamento de conhecimento e competências de Engenharia Informática partindo duma base técnico-científica conferida por uma Licenciatura em Engenharia Informática, Ciência de Computadores ou semelhante. A qualidade deste curso é reconhecida internacionalmente, não só pelo selo EUR-ACE, mas também pela recente acreditação ABET