Investigação

Investigador cria método para prever os conteúdos digitais mais populares
07-02-2018

Nuno Moniz, de 30 anos, é licenciado e mestre em Engenharia Informática pelo ISEP, tendo inclusive recebido o diploma de mérito. De estudante brilhante passou a docente universitário, mas hoje destaca-se, sobretudo, pelo segundo lugar na categoria de Doutoramento do Fraunhofer Portugal Challenge 2017.

Natural da cidade da Horta, na ilha do Faial, Nuno Moniz mudou-se do arquipélago açoriano para o Porto com o objetivo de estudar no ISEP, onde ingressou na Licenciatura em Engenharia Informática. Sempre teve um particular interesse pela área de informática, contudo e com alguma influência da docente Fátima Rodrigues, que recorda com especial carinho, acabou por apostar na via académica. Assim sendo, após a conclusão do Mestrado em Engenharia Informática – ramos de Arquiteturas, Sistemas e Redes, Nuno decidiu concorrer a uma bolsa de Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia e a partir do momento em que foi aceite nunca mais parou.

“A abordagem prática do Ensino Politécnico deu-me excelentes bases para conseguir desenvolver o meu trabalho após sair do ISEP. Diria até que foi fundamental. Em retrospetiva, um dos pormenores que creio ter tido uma importância considerável foram as cadeiras de Laboratório/ Projeto, em que se desenvolvia trabalho que ligava as várias matérias do semestre. Esse esforço de interligar várias tecnologias e ideias foi muito importante para alargar horizontes”, reconhece o investigador. No decurso dos seus quatro anos de Doutoramento, Nuno experienciou, de facto, outras perspetivas de trabalho e até de cultura. “Publiquei vários artigos científicos em conferências e revistas. Além disso, fui investigador visitante na Brunel University [Londres, Reino Unido] e na San Jose State University [San Jose, E.U.A]”, acrescenta.

Hoje, Nuno Moniz é notícia devido ao segundo lugar conquistado na categoria de Doutoramento do Fraunhofer Portugal Challenge 2017, que se realiza desde há uma década e premeia as “ideias de investigação mais inovadoras” em solo português. O projeto do jovem distinguiu-se pelo facto de apresentar um método que tem a capacidade de prever, com precisão, o nível da popularidade dos conteúdos mais relevantes. No fundo, a sua ideia é ajudar tanto os média, como os próprios consumidores: se por um lado auxilia no processo de decisão quanto ao tipo de notícias a serem promovidas nas redes sociais; pelo outro, sugere aos consumidores os conteúdos mais recentes e com maior impacto diário.

O antigo estudante ‘brilhante’, que recebeu até um diploma de mérito por parte do Politécnico do Porto (P. Porto), é atualmente docente convidado na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. No entanto, Nuno Moniz promete não ficar por aqui. “Daqui a uma década espera continuar a poder investir a maior parte do seu tempo em investigação científica”, revela. Do Instituto confessa que tem saudades, especialmente do “espaço. Depois de tantos anos ISEP [cerca de sete], ganha-se uma familiaridade com o espaço de que se vem a sentir imensa falta. Já por várias vezes passei pelo Departamento de Engenharia Informática quando tive compromissos por perto e tinha tempo de sobra”, conclui.